A Juíza Débora

Ela exerceu o poder com sabedoria e humildade

É só entrar em qualquer livraria que depararemos com inúmeros títulos direcionados para a mulher moderna, que trabalha, estuda, é mãe, esposa e profissional. Muitos desses livros, no entanto, não contêm subsídios que possam dar um direcionamento coerente para a mulher cristã. Por que então não recorrer à Bíblia? Nas páginas do Livro Sagrado podemos encontrar histórias inspiradoras de mulheres, que, embora tenham vivido milhares de anos antes de nós, ainda assim, em nada diferem das mulheres contemporâneas. Através de atitudes sábias, elas podem nos ensinar a aliar trabalho e casamento e principalmente, a ouvir a voz de Deus e seguir uma vida de acordo com a temática cristã.

Já que atualmente grande parte das mulheres tem profissão, trabalha fora e cumpre dupla jornada, a nossa  personagem será Débora, que foi a única mulher na Bíblia a exercer o cargo de juíza em Israel.

Débora foi uma mulher à frente do seu tempo. Ela é um exemplo de emancipação feminina, em uma sociedade, onde a mulher não tinha tanto destaque na vida profissional. Com sabedoria, ela escreveu seu nome na história Bíblica como juíza, sem deixar de lado o amor à família e à humildade.

No Livro de Juízes, capítulo 4, começa a narrativa dessa mulher forte e corajosa. “Débora julgava a Israel naquele tempo. Ela atendia debaixo da palmeira de sua casa entre Ramá e Betel, na região montanhosa de Efraim; e os filhos de Israel subiam a ela a juízo.”

Não sabemos de onde ela veio. A Bíblia conta apenas que, descontente em ver o povo de Israel nas mãos dos inimigos, ela se levantou para lutar por eles.

Juízes 5.7. “Ficaram desertas as aldeias em Israel, repousaram, até que eu, Débora, me levantei, levantei-me por mãe em Israel.”

Sua história antes de ser juíza, é desconhecida, mas ela conquistou o respeito do povo, era temente a Deus e além de agir com sabedoria, agia principalmente com amor.

Débora também era casada com um homem chamado Lapidote. A Bíblia não relata, mas provavelmente deveria ter filhos.

Outra característica marcante dessa mulher era ser segura e confiante. Tanto que Baraque, responsável pelo Exército de Israel, disse que só iria para a batalha se Débora fosse junto.

Juízes 4. 8: “Então lhe disse Baraque: Se fores comigo, irei; porém, se não fores comigo, não irei.”

Ela tinha o poder em suas mãos, era uma líder, mas não usava de presunção, orgulho ou altivez. A Bíblia nos leva a crer que ela era submissa no sentido de não deixar que a sua doçura fosse ofuscada pelo cargo que ocupava.

 Juízes 5. 9: “Meu coração se inclina para os comandantes de Israel, que, voluntariamente, se ofereceram entre o povo;”

O que podemos aprender com ela? 

Débora soube conciliar a vida profissional com a vida pessoal. Exerceu funções de poder, mas não deixou que a emancipação, a liberdade, prejudicassem a sua essência feminina permeada por amor, doçura, mansidão e humildade.

Sem o apoio de Débora, o experiente Baraque não teria ido à luta, tampouco teria vitória, mostrando que sem o incentivo e a sabedoria da mulher, não há vitória em nenhum setor da vida.

Débora se levantou e se colocou à disposição de Deus e foi usada por Ele para libertar e dar vitória a seu povo.

No final ela exclamou: “Porém os que te amam brilham como sol quando se levanta no seu esplendor.”Juízes 5-3.

Quem ama a Deus em primeiro lugar e busca a Sua direção, brilha em todas as áreas da vida.

Fonte: Arca Universal
Publicado por: VPR Curuçambá
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s